MATERIALIZANDO A HISTÓRIA: O PASSADO HUMANO ATRAVÉS DA CULTURA MATERIAL

Diogo Menezes Costa, Sibeli Viana

Resumo


A História se manifesta nas sociedades humanas, principalmente, na forma de documentos escritos, de representações imagéticas e como oralidades interpessoais ou coletivas. Como um produto da ação humana seus fatos marcam gerações posteriores, desde tempos imemoriais até o nosso contemporâneo. Nesta longa trajetória, nem sempre os suportes físicos de determinados eventos perduram, e a história se limita a traços do que foi, ou do que aconteceu. Portanto, nesse dossiê focamos no aspecto mais duradouro destes registros temporais e humanos: o material.

Palavras-chave


História; Arqueologia; Teoria; Cultura Material.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Berlano. B. F. de Os desdobramentos do debate sobre os conceitos de Natureza e Cultura em Tim Ingold. In: REIA- Revista de Estudos e Investigações Antropológicas, ano 3, volume Especial I, 2016

APPADURAI, Arjan. (Org.). A Vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008. 399 p.

ASSIS, Wendel F., T. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, 27(72), 613-627, 2014.

AZEVEDO NETTO, Carlos. X.; SOUZA, Amilton. J. A importância da cultura material e da arqueologia na construção da História. História. Unisinos, 14, 62-76, 2010

BERGSON, Henri. Matière et mémoire. 8e édition. Paris : PUF, Coll. Quadrige, Grands textes, 2008.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

BOËDA, Eric. Techno-logique & technologie: Une paléo-histoire des objets lithiques tranchants. S/l : @rchéo-éditions, 2013.

BRAUDEL, Fernand. História e Ciências Sociais. A longa duração. Revista de História, 30(16), 261-294, 1965.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo: séculos XV - XVIII. São Paulo, Martins Fontes, 1995.

BURKE, Peter. O que é história cultural? (S. G. d. Paula, Trans.). Rio de Janeiro: Zahar. 2005.

CAMPOS, Manoel. A. Origens da matemática. A matemática paleolítica. Curitiva:Ed. Progressiva, Vol. 1, 2009, 308 p.

COSTA, Diogo M. Arqueologias históricas: um panorama espacial e temporal. Vestígios- Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, nº 4 (2), 2010.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Trad. de Lisboa, Difusão Editora, 1988.

CRESWELL, Robert Técnica. Enciclopédia Einaudi, 16. Homodoesticação. Cultura Material. Imprensa Nacional – Casa da Moeda, p 329-352, 1989.

CRIADO BOADO, F. Construcción social del espacio y reconstrucción arqueológica del paisaje. Boletín de Antropología Americana. v. 24, p. 7-29, 1991.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro, Jorge Zahar. 1994.

Fogaça, E.; Boëda, E. A antropologia das técnicas e o povoamento da América do Sul Pré-Histórica. Habitus. Goiânia, v. 4, n.2, p. 673-684, jul./dez. 2006.

FUNARI, Pedro, P. d. A. Memória histórica e cultura material. Revista Brasileira de História, 13(25/26), 17-35, 1992/1993.

GENESTE, Jean, M. Systemes techniques de production lithique: variations techno-economiques dans les processus de realisation des outilages paleolithiques. Technique et culture, (17/18): 1-35, 1991.

GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Oxford University Press, 1998.

GOMES, Camilla de M. Gênero como categoria de análise decolonial. Civitas. Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 65-82, jan.-abr. 2018.

GONÇALVES, Jose. R. S. Teorias antropológicas e objetos materiais In: Antropologia dos Objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: IPHAN / DEMU, Col. Museu, Memória e Cidadania. 2007.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Ruibal. Arqueología Simétrica: um giro teórico sin revolución paradigmática. Complutum, 2007. vol. 18:283-319

LEFEBVRE. Henri. The production of space (D. Nicholson-Smith, Trans.). Oxford: T.J. Press.1991.

HODDER, Igor. Entangled. An archaeology of the relationship between humans and things. Chichester: Wiley-Blackwell, 2012.

INGOLD, Tim. Materials against materiality. Archaeological Dialogues, v. 14, n. 1, p. 1-16, 2007.

INGOLD, Tim Trazendo as Coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiail. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 25-44, jan./jun. 2012

LATOUR, Bruno. Reagregando o social – uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador/Bauru: EDUFBA-EDUSC, 2012.

LE GOFF, J. História e memória (B. Leitão, Trans.). Campinas: SP Editora da UNICAMP. 1990 [1924].

LEROI-GOURHAN, Andre. Le geste et la parole. Technique et langage. T. I. Paris: Ed. Albin Michel, 1964.

LUGONES, María. Colonialidad y género: hacia un feminismo descolonial. In.: MIGNOLO, Walter. Gênero y descolonialidad. Buenos Aires: Del Siglo, 2014.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich, E. A Ideologia Alemã (L. C. Castro e Costa, Trans.): Martins Fontes, 2001.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Identidade cultural e patrimônio arqueológico brasileiro. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 20, p. 33-37, 1984.

MENESES, Ulpiano, T. B. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, 1I5, 103-117, 1983.

MIGNOLLO, Walter. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol. 32. n° 94. jun. 2017.

MILLER, D. Material culture and mass consumption. Oxford, Basil Blackwell, 1987.

NORA, Pierre. Entre memória e história – a problemática dos lugares. Revista: Projeto História, São Paulo, n.10, p. 7-28, 1993.

PESEZ, Jean, M. História da cultura material. E. Brandão, Trans. In J. L. Goff. Ed., A História Nova. São Paulo: Martins Fontes. 1990.

RABARDEL, Pierre. Les hommes & les technologies. Approche cognitive des instruments contemporains. Armand Colin, París.1995.

RAMOS, Marcos P. de M. As indústrias líticas do Holoceno médio no Sítio GO-JA-01: uma reavaliação a partir da abordagem tecnofuncional. Monografa de Bacharelado, PUC Goiás, 2016.

REDE, Marcelo. História e cultura material. In: Cardoso, C. F. S.; Vainfas, R. (Org.). Novos Domínios da História. 1ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus, 2012, v., p. 133-150.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: Santos, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SIMONDON, Gilbert. Du mode d‘existence des objets techniques. Aleçon: Editions Aubier, 1989.

STIEGLER, B. Lieu, mémoire et technique. Université de Liège: Département de Philosophie, http://www.philosophie.ulg.ac.be/documents/PhiloCite2008/Stiegler.pdf

TILLEY, Christopher. Objectification. In: Tilley, Chris; KEANE, Webb; Küchler, Susanne; Rowlands, Mike; Spyer, Patricia (Eds.). Handbook of Material Culture. London: Sage, 2008. p. 60-73.

TILLEY, Christopher. The materiality of stone. Oxford: Berg, 2004.

TIXIER, Jacques; INIZAN. M. L.; ROCHE, H. Préhistoire de la pierre taillé 1: terminologie et technologie. Valbonne, Cercle de Recherches et d’Etudes Préhistoriques, 120 p., 1980.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v12i0.7316

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis A3 (Avaliação Preliminar da CAPES/PERIÓDICOS - 2019)

Visitantes - (01/01/2006 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 8.363
Estados Unidos 407
França 265
Portugal 130
Alemanha 61
Reino Unido 32
Espanha 26
México 24
Rússia 21
Total 9.575

Fonte: Google Analytics.