OS RECIPIENTES ATRIBUÍDOS AOS AFRICANOS E A SEUS DESCENDENTES NAS OBRAS DE DEBRET COMO REVELADORES DE COLONIALIDADES E AGENCIAMENTOS

Clarissa Adjuto Ulhoa

Resumo


Por meio do presente texto, temos o intuito de apresentar um estudo dos recipientes atribuídos aos africanos e a seus descendentes no âmbito das obras do artista francês Jean Baptiste Debret. Temos o intuito de analisar essa cultura material no sentido de perceber as colonialidades construídas a partir da perspectiva eurocêntrica, mas também as formas de agenciamento elaboradas pelos africanos e por seus descendentes que escapam em meio a essa mesma perspectiva eurocêntrica.

Palavras-chave


Debret; Cultura material; Colonialidades; Agenciamentos

Texto completo:

PDF

Referências


ARGAN, Giulio C. Arte Moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BELLUZO, Ana Maria. A propósito do Brasil dos viajantes. Revista USP, n. 30, p. 8-19, 1996.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e História do Brasil. São Paulo: Editora Martins, 1965.

FERREIRA, Lucio Menezes. Sobre o Conceito de Arqueologia da Diáspora Africana. Revista Métis: história e cultura, v. 8, p. 267-275, 2009.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. São Paulo: Ed. 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

LIMA, Valéria Alves Esteves. J.-B. Debret, historiador e pintor: a viagem pitoresca e histórica ao Brasil (1816-1839). Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

MATORY, J. Lorand. Jeje: Repensando nações e transnacionalismo. Revista Mana, São Paulo, v. 5, p. 57-80, 1999.

NAVES, Rodrigo. Debret, o neoclassicismo e a escravidão. In: A forma difícil: ensaios sobre a arte brasileira. São Paulo: Editora Ática, 1996.

OLIVEIRA, Carla Mary S.; CURY, Cláudia Endler. Lazer e leitura nas imagens de Debret: o cotidiano do Brasil oitocentista pelo olhar de um neoclássico. Portuguese Studies Review, v. 18, n. 1, p. 151-177, 2011.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: Santos, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

RAMBELLI, Gilson. Tráfico e navios negreiros: contribuição da Arqueologia Náutica e Subaquática. In: Navigator: subsídios para a história marítima do Brasil, v. 2, p. 9-72, p. 62.

REDE, Marcelo. História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista, v. 4, p. 265-282, 1996.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo da Raça. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Os franceses no Brasil de D. João. Revista USP, n. 79, p. 54-69, 2008.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e umbanda. São Paulo: Selo Negro, 2005.

SILVEIRA, Renato da. O Candomblé da Barroquinha: Processo de constituição do primeiro terreiro baiano de ketu. Salvador: Edições Maianga, 2006.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SOUZA, Marcos André Torres de. Por uma arqueologia da criatividade: estratégias e significações da cultura material utilizada pelos escravos no Brasil. In: AGOSTINI, Camila. Objetos da Escravidão: Abordagens sobre a cultura material da escravidão e seu legado. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v12i0.6812

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis A3 (Avaliação Preliminar da CAPES/PERIÓDICOS - 2019)

Visitantes - (05/09/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 9.973
Estados Unidos 415
França 268
Portugal 152
Alemanha 62
Reino Unido 33
México 32
Espanha 31
Rússia 21

Fonte: Google Analytics.