AOS ORADORES D’ESTADO: TOBIAS BARRETO E A CRÍTICA À ELOQUÊNCIA PARLAMENTAR

Raphael Silva Fagundes

Resumo


Este artigo aborda um aspecto da crítica política de Tobias Barreto: a crítica à retórica. O filósofo, poeta, jurista e polemista que provocou um grande impacto na cultura letrada dos finais do século XIX ficou conhecido como um dos líderes da Escola do Recife, um dos epicentros do “bando de ideias novas” que agitou o Império em suas últimas décadas. Ao criticar o tipo de eloquência desenvolvida no parlamento, Barreto criticava o que entendia como um modelo político ultrapassado, marcado por políticos dotados de um palavrório inútil, incapaz de trazer mudanças profundas em um período de crise.

Palavras-chave


Tobias Barreto; Retórica; História política; Tobias Barreto; Rhetoric; Political history

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Tobias. Vários Escriptos. Rio de Janeiro: Laemmert & C.-Editores, 1900.

ALONSO, Angela. Apropriação de ideias no Segundo Reinado. In: KEILA, Grinberg, SALLES, Ricardo (org.). O Brasil imperial. 1831-1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 83-118.

ARISTÓTELES. Arte Retórica e Poética. Rio de Janeiro: Tecnoprint, s/d.

ASSIS, Machado de. “O velho senado”. In: COUTINHO, Afrânio (org.). Obra Completa. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1962. v. 2.

BARTHES, Roland. A Aventura Semiológica. Trad: Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BASILE, Marcello Otávio Neri de Campos. O Império em Construção: projetos de Brasil e ação política na Corte regencial. Tese (Doutorado em História) - Rio de Janeiro, PPGUFRJ/IFCS, 2004.

BLUMENBERG, Hans. Aproximação antropológica à atualidade da retórica. História da Historiografia, n. 26, jan-abr, 2018. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1354/725. Acesso em: 02 jul. 2018.

BOBBIO, Norberto. Os Intelectuais e a Política: dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea. Trad: Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Unesp, 1997.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Linguísticas: o que falar quer dizer. 2 ed. São Paulo: Edusp, 2008.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

CARVALHO, José Murilo de. História Intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura. Topoi, Rio de Janeiro, n. 1, p. 123-152, 2000.

CEZAR, Temístocles. A retórica da nacionalidade de Varnhagen e o mundo antigo: o caso das origens dos Tupis. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado (org.). Estudos Sobre Escrita da História. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006.

CEZAR, Temístocles. Lição sobre a escrita da história, historiografia e nação no Brasil do século XIX. Diálogos, DHI/UEM, v. 8, n. 1, p. 11-28, 2004.

CÍCERO, Marco Tulio. Do Orador. In: SCATOLIN, Adriano. A Invenção no Do Orador de Cícero: um estudo à luz de Ad Familiares I, v. 9, n. 235. Tese (Doutorado) - São Paulo: USP, 2009.

COSTA, João Cruz. O pensamento brasileiro sob o Império. In: IGLÉSIAS, Francisco et al. O Brasil Monárquico: reações e transações. v. 2. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

FIGUEIREDO, Carlos Honório. Relatório do 1º secretário interino. R. IHGB, Rio de Janeiro, Tomo XXXIX, v. 2, Garnier, 1876. Disponível em: http://www.ihgb.org.br/rihgb/rihgb1876t00392c.pdf. Acesso em: 18 ago. 2015.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. Trad: Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

GRAMSCI, Antonio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Trad: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

JESUS, Jadson Tavares de. Tobias Barreto: crítica política e social ao Brasil. Araucaria, Sevilla, año 15, n 30, segundo semestre de 2013.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Ato de linguagem. In: CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. Trad: Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto, 2004.

MEYER, Michel. Questões de Retórica: linguagem, razão e sedução. Trad: António Hall. Lisboa: Edições 70, 2007.

PAIM, ANTONIO. História das Ideias filosóficas no Brasil. 2. ed. São Paulo: EdUSP, 1974.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. A realidade como vocação: literatura e experiência nas últimas décadas do império. In: KEILA, Grinberg; SALLES, Ricardo (org.). O Brasil Imperial: 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. v. 3.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado de Argumentação: a nova retórica. Trad: Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão, São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PLANTIN, Christian. A Argumentação: história, teorias, perspectivas. São Paulo: Parábola, 2008.

POMPEIA, Raul. O Ateneu: crônica de saudades. Introdução, estabelecimento do texto e notas de Afrânio Coutinho & Maria Filgueiras. Rio de Janeiro: MEC-FENAME / OLAC / Civilização Brasileira, 1981.

QUINTILIANO, M. Fabio. Instituições Oratórias. Tradução Jeronymo Soares Barbosa. Tomo Primeiro, Coimbra: Imprensa Real da Universidade, 1788.

REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

ROMERO, Silvio. História da Literatura Brasileira. 5 ed. Rio de Janeiro: Olympio, 1953-4. v. 2.

SALLES, Ricardo. As águas do Niágara. 1871: crise da escravidão e o ocaso saquarema. In: KEILA, Grinberg; SALLES, Ricardo (org.). O Brasil imperial: 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 39-82. v. 3.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura Como Missão: tensões sociais e criação cultura na Primeira República. 2 ed. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (org.). Por Uma História Política. Trad: Dora Rocha. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003, p. 231-269.

SOUZA, Roberto Acízelo de. A retórica no Brasil do século XIX: dos anos de glória à perdição. In: SOUZA, Roberto Acízelo de. Variações sobre o mesmo tema: ensaios de crítica, história e teoria literárias. Chapecó, SC: Argos, 2015.

SOUZA, Roberto Acízelo de. O Império da Eloquência: retórica e poética do Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUerj, 1999.

TODOROV, Tzevtan. Literatura e Significação. Trad: Antonio José Massano. Lisboa: Assírio e Alvim, 1973.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. 6. ed. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Petrópolis. Vozes, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v12i0.6738

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis A3 (Avaliação Preliminar da CAPES/PERIÓDICOS - 2019)

Visitantes - (01/01/2006 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 8.363
Estados Unidos 407
França 265
Portugal 130
Alemanha 61
Reino Unido 32
Espanha 26
México 24
Rússia 21
Total 9.575

Fonte: Google Analytics.