ARTE TUMULAR E PATRIMÔNIO: O CEMITÉRIO SANTANA COMO EXPRESSÃO DE CULTURA MATERIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA

Ruber Paulo Alves Rodrigues, Mary Anne Vieira Silva

Resumo


O Cemitério é o objeto de análise deste artigo. Com o auxílio teórico-metodológico da História da Cultura Material, inqueriu-se sobre as mudanças ocorridas nos espaços cemiteriais a partir do processo de secularização, e, quando e como os cemitérios monumentais secularizados passaram a ser entendidos como lugar de memória, cultura e arte, a ponto de serem elevados ao status de Patrimônio Histórico e Cultural das cidades. No que tange ao Cemitério Santana na cidade de Goiânia, questiona-se que, embora o mesmo tenha sido tombado por decreto municipal no ano de 2000, existe um notável descaso com o local. Essa afirmativa tem como base recentes denúncias feitas nos meios de comunicação do município e nos leva a questionar se a patrimonialização é suficiente para construir uma percepção diferenciada do espaço cemiterial.

Palavras-chave


Cemitério Santana; Patrimônio; Cultura Material; Arte tumular; Secularização; Santana Cemetery; Patrimony; Culture Material; Tummy art; Secularization

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Thiago N. Túmulos Celebrativos de Porto Alegre – Múltiplos olhares sobre o espaço cemiterial (1889-1930). Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

ARIÈS, Philippe. História da Morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

ARIÈS, Philippe. O Homem Diante da Morte. v. II. 2. ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 1990.

BARROS, José D’Assunção. Os Campos da História – uma introdução às especialidades da História. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 16, p. 17 -35, dez. 2004. Disponível em http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/revis/revis16/art3_16.pdf. Acesso em: 05 set. 2017.

BELLOMO, Harry R. (org.). Cemitérios do Rio Grande do Sul: arte, sociedade, ideologia. Porto Alegre: EDIPUCS, 2000.

BORGES, Maria Elizia. Arte Funerária no Brasil (1890-1930): oficio de marmoristas italianos em Ribeirão Preto. Belo Horizonte: C/Arte, 2002a.

BORGES, Maria Elizia. Arte funerária no Brasil: Contribuições para a historiografia da Arte Brasileira. In: XXII Colóquio de História da Arte. Porto Alegre: CBHA, 2002b.

BORGES, Maria Elizia. Manifestações artísticas contemporâneas em espaços públicos convencionais (cemitérios secularizados). In: XXIV Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte. Minas Gerais: CBHA, 2004.

BORGES, Maria Elizia. Imagens da Morte: monumentos funerários e análise dos historiadores da arte. In: XXVI Simpósio Nacional de História, ANPUH. São Paulo: USP, 2011.

BORGES, Maria Elizia. O cemitério como museu a céu aberto. In: VII Congresso Internacional Imagens da morte: tempos e espaços da morte na sociedade, Brasil, São Paulo. 2016.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Organizado por Cláudio Brandão de Oliveira. Rio de Janeiro: Roma Victor, 2002. 320 p.

BRASIL. Constituição Federal de 1891.

CAMPOS, Itami. Mudança da capital: uma estratégia de poder. Cadernos do Indur, Goiânia, n. 2, p. 31-32, 1980.

CARTA DE VENEZA DE MAIO DE 1964 – II Congresso Internacional de Arquitetos e Técnicos dos Monumentos Históricos ICOMOS – Conselho Internacional de Monumentos e Sítios Históricos. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Veneza%201964.pdf. Acesso em: 01 out. 2017.

CASTRO, Elisiana. Aqui Também Jaz um Patrimônio: identidade, memória e preservação patrimonial a partir do tombamento de um cemitério (o caso do Cemitério do Imigrante de Joinville/SC). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina: UFSC/PGAU, Santa Catarina, 2008.

CHAGAS, Mario. Casas e portas da memória e do patrimônio. Em Questão, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 207-224, jul./dic. 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=465645957002. Acesso em: 04 jan.2018.

CHAUL, Nasr Fayad. Caminhos de Goiás: da construção da decadência aos limites da modernidade. 4. ed. Goiânia: Editora UFG, 2015.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. 4. ed. São Paulo: Estação Liberdade: UNESP, 2006.

COELHO, Teixeira. Dicionário Crítico de Política Cultural. São Paulo, Iluminuras: FAPESP, 1999.

COLI, Jorge. O Que é Arte. São Paulo: Brasiliense, 2013. p. 131.

COMPROMISSO DE BRASÍLIA DE ABRIL DE 1970 - 1º Encontro dos Governadores de

Estado, Secretários Estaduais da Área Cultural, Prefeitos de Municípios Interessados,

Presidentes e Representantes de Instituições Culturais. Disponível em:

Http://www.vitruvius.com.br/documento/patrimonio/ patrimonio09.asp. Acesso em: 01 out. 2017.

COMUNALE, Viviane. A utilização das imagens sagradas e profanas dentro dos cemitérios. In: XXVII Simpósio Nacional de História-ANPUH. Natal, julho de 2013. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364773298_ARQUIVO_Imagenssagradas_Anpuh2013.pdf. Acesso em: 27 ago. 2017.

COSTA, Diogo M. Estudos Mortuários em Arqueologia Pré-Histórica e Histórica: de espelho etnográfico à máscara social. Habitus, Goiânia, v. 10, n.1, p. 105-114, jul./dez. 2012.

DECLARAÇÃO DE AMSTERDÃ DE OUTRUBRO DE 1975 – Congresso do Patrimônio Arquitetônico Europeu. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Declaracao%20de%20Amsterda%CC%83%201975.pdf. Acesso em: 29 jan. 2018.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; PELEGRINI, Sandra C. A. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2006

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. História, memória e patrimônio. In: OLIVEIRA, Antonio José Barbosa de (org.). Universidade e lugares de memória. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 1994.

LIMA, Tania Andrade. De morcegos e caveiras a cruzes e livros: a representação da morte nos cemitérios cariocas do século XIX (estudo de identidade e mobilidade sociais). In: Anais do Museu Paulista. São Paulo. n. ser, v. 2, p. 87-150, jan./dez. 1994.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

NIGRO, Cínthia. Territórios do patrimônio: tombamentos e mobilizações sociais. In: Dilemas urbanos: novas abordagens sobre a cidade. Ana Fani Alessandri Carlos; Amália Inês Geraiges Lemos (orgs.). São Paulo: Contexto, 2003.

NOGUEIRA, Renata de Souza. Quando um Cemitério é Patrimônio Cultural. Dissertação (Mestrado em Memoria Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

OLIVEIRA, Almir Félix Batista de. O IPHAN e o seu papel na construção/ampliação do conceito de patrimônio histórico/cultural no Brasil. Cadernos do CEOM, ano 21, n. 29, Bens Culturais e Ambientais, 2008.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso. As tragédias como evento hermenêutico: As enchentes do Rio Vermelho na Cidade de Goiás. Rev. História e Cultura, Franca, v. 3, n. 3, p. 306-324, dez. 2014.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso. Imagens e mudança cultural em Goiânia. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, 1999.

PELEGRINI, Sandra C. A. O patrimônio cultural e a materialização das memórias individuais e coletivas. Patrimônio e Memória. UNESP – FCLAs – CEDAP, v. 3, n. 1, p. 87-100. 2007. Disponível em: file:///C:/Users/Particular/Downloads/33-686-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 04 jan. 2018.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 3. ed. Belo Horizonte: Autentica, 2012.

PEZEZ, Jean-Marie. História da Cultura Material. In: LE GOFF, Jacques (org.). A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 1990. p. 237-285.

PLANOS DE AÇÃO PARA CIDADES HISTÓRICAS DE 2009. Relatório Diagnóstico Preliminar e Levantamento de Dados do Patrimônio Cultural - Bens Culturais Tombados e/ou Protegidos na Capital/Município de Goiânia - Estado de Goiás Brasil. Disponível em: http://www.goiania.go.gov.br/shtml/seplam/anuario2012/patrimonio%20historico/Diagn%C3%B3stico_Final%20PACH%20Goi%C3%A2nia%202009.pdf. Acesso em: 01 out. 2017.

RECOMENDAÇÃO DE NAIRÓBI DE NOVEMBRO DE 1976 – 19ª Sessão da Unesco. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Recomendacao%20de%20Nairobi%201976.pdf. Acesso em: 29 jan. 2018.

REIS, João José. A Morte é uma Festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 1991.

SEGPLAN. Cemitério Santana: pesquisa, documentação, adequação, conservação e comunicação. Pasta G 213b P922c / controle 1603, 2001.

SOUZA, Fabio William de. Os cemitérios como fonte para o ensino da História e da Arte. In: VI Congresso Internacional de História. 2013.

TORELLY, Luiz P. P. notas sobre a evolução do conceito de patrimônio cultural. In: Fórum Patrimônio, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, jul. /dez. 2012.

VIANA, Letícia C. R. As bases da política federal para o patrimônio cultural imaterial. In: RIOS, Sebastião; VIANA, Talita (orgs.). Toadas de Santos Reis em Inhumas – Goiás: Tradição, circulação e criação individual. Goiânia: Gráfica UFG, 2015.

VOVELLE, Michel. Imagens e Imaginário na História: fantasmas e incertezas nas mentalidades desde a Idade Média até o século XX. São Paulo: Ática, 1997.

ZANIRATO, Silvia Helena. Usos sociais do patrimônio cultural e natural. In: Patrimônio e Memória. UNESP – FCLAs – CEDAP, v. 5, n. 1, p. 137-152, out. 2009. Disponível em: file:///C:/Users/Particular/Downloads/145-750-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 04 jan. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v12i0.6597

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis A3 (Avaliação Preliminar da CAPES/PERIÓDICOS - 2019)

Visitantes - (01/01/2006 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 8.363
Estados Unidos 407
França 265
Portugal 130
Alemanha 61
Reino Unido 32
Espanha 26
México 24
Rússia 21
Total 9.575

Fonte: Google Analytics.