Mulheres Negras e a Discussão de Gênero na Construção das Narrativas nos Museus de Salvador

Joana Angélica Flores Silva

Resumo


O artigo trata da representação das mulheres negras nos museus históricos de Salvador, a partir dos vieses em gênero, raça e classe ao analisar o lugar que as mesmas ocupam nas exposições de longa duração, levando em consideração a teia de relações estabelecidas na tríade HomemXObjetoXRealidade. A abordagem se debruça sobre o discurso construído pelos museus ao atribuir à mulher branca o papel de protagonista na historiografia do país, enquanto que concede a figura da escravizada à mulher negra nesse mesmo contexto histórico, o que retroalimenta o imaginário coletivo quando lhe outorga a condição de subalterna. Com base na práxis museológica, a pesquisa deter-se-á no âmbito da reinterpretação dos signos, no processo de musealização dos objetos que representam o universo feminino. Assim, o estudo traz como contribuição, a reflexão acerca da construção de novas narrativas que evidenciem de forma não discriminatória a participação dos sujeitos nos espaços de memória.
Palavras-Chave: Museus de Salvador; Museologia; Gênero; Mulheres negras; Representações

ABSTRACT

The article deals this the representation of black women in the historical museums of Salvador, starting in the gender, race and class. Analyzing the place they occupy in long - term exhibit, taking into account of relationships established in the triad Man x Object x Reality. The approach focuses on the discourse constructed by the museums in assigning the white woman the role of protagonist in the historiography of the country, while granting the figure of the enslaved to the black woman, in this same historical context, which feeds the collective imaginary when it grantates the subordinate condition. Based on the museological praxis, the research will focus on the reinterpretation of signs, in the process of musealization of objects that represent the feminine universe. Therefore, this article bring forward a contribution, the reflection about the construction of new narratives that evidence in a non-discriminatory way the participation of the subjects in the memory spaces.
Keywords: Museums of Salvador; Museology; Genre; Black Women; Representations

Palavras-chave


Museus de Salvador; Museologia; Gênero; Mulheres negras; Representações

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Regina. A fabricação do Imortal: memória, história e estratégia de consagração no Brasil. Lapa/Rocco. Rio de Janeiro, 1990.

ANTONACCI, Maria Antonieta. Memórias Ancoradas em Corpos Negros. Educ. São Paulo, 2013.

BUTLER, Judith P. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 3ª Ed. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL, Constituição Federal do. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Org. Waldisa Rússio Camargo Guarnieri: textos e contextos de uma trajetória profissional. Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo, 2010.

Cadernos Museológicos. Secretaria de Cultura da Presidência da República, Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural. V. 3, 1990.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do Saber. 3ª Edição. Forense-Universitária. Rio de Janeiro, 1987.

FREITAS, Joseania Miranda. MONTEIRO, Juliana. FERREIRA, Luzia Gomes. As Roupas de Crioula no Século XIX e o Traje de Beca na Contemporaneidade: Símbolos de identidade e memória. Publicação do Departamento de História e Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ensino Superior do Seridó – Campus de Caicó. V. 07. N. 18, out./nov. de 2005 – Semestral. Disponível no endereço http// www.cerescaico.ufrn.br/mneme

FUNDAÇÃO INSTITUTO FEMININO DA BAHIA. Catálogo do Museu do Traje e do Têxtil: Salvador, 2003.

GIACOMINI, Sônia Maria. Mulher e Escrava: uma introdução histórica ao estudo da mulher negra no Brasil. Editora Vozes Ltda. Rio de Janeiro, 1988.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Centauro. São Paulo, 2003.

HOOKS, Bell. Intelectuais Negras. Estudos Feministas. Tradução Marcos Santarrita. Florianópolis, v. 3, nº 2, p.464-478, agosto/dez 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS – IBRAM. Guia dos Museus Brasileiros. 2011. In: http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2011/05/gmb_nordeste.pdf

Visitado em 24/03/2015.

JORNAL DO MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO. Entrevista: Lélia Gonzalez - Uma mulher de luta. 1991, p.3. Disponível no endereço: http://blogueirasnegras.org/wp-content/uploads/2013/07/entrevista-lelia-mnu.pdf

MONTEIRO, Aline Oliveira Temerloglou. Dissertação. Para além do “Traje de Crioula”: Um Estudo Sobre Materialidade e Visualidade em Saias Estampadas da Bahia oitocentistas. Universiade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, 2012.

PINHO, Osmundo. SANSONE, Lívio. (Organizadores). Raça: Novas Perspectivas Antropológicas. 2ª Ed. EDUFBA, Salvador, 2008.

PRIMO, Judite. Museologia e Patrimônio: Documentos Fundamentais. Cadernos de Sociomuseologia, Centro de Estudos Sociomuseologia. ULHT, Lisboa, 1999.

RIAL, Carmen, LAGO, Mara Coelho de Souza, GROSSI, Miriam Pillar. Relações Sociais de Sexo e Relações de Gênero: entrevista com Michèle Ferrand. Estudos Feministas, Florianópolis, 13(3): 320, setembro-dezembro/2005.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. Companhia das Letras. São Paulo, 1993.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Editora UFMG. Belo Horizonte, 2010.




DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18224/mos.v9i2.5239.g3003

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


MOSAICO | Mestrado em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | ISSN 1983-7801 | Qualis B3