Capoeira e Identidade Negra na Pós-modernidade: algumas considerações

Márcio Nunes de Abreu

Resumo


O presente trabalho parte de uma provocação feita pelo jornalista e sociólogo Muniz Sodré durante uma palestra realizada na Universidade Federal da Bahia, em 8 de Agosto de 2016, para tecer algumas considerações acerca da capoeira e da identidade negra na pós-modernidade. Na ocasião, o Prof. Sodré declarou que considera o seu amigo e capoeirista, Mestre Camisa, mais “negro” do que muitos dos negros que ele conhece. Nesse sentido, este ensaio busca explorar os limites da subjetivação e da identificação cultural nas relações entre identidades dominantes e subalternas de modo a tentar responder a seguinte pergunta: pode um branco ser mais “negro” que o próprio negro? Para isso, são usados como referenciais teóricos dois textos de Stuart Hall que tratam dos temas cultura e identidade: A Centralidade da Cultura: Notas sobre as Revoluções Culturais do nosso Tempo (1997) e Que “Negro” é esse na Cultura Negra? (2003).

Palavras-chave


Capoeira; Identidade Negra; Cultura Negra; Pós-modernidade; Identificação Cultural

Texto completo:

PDF


DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18224/mos.v9i2.5237.g2998

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


MOSAICO | Mestrado em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | ISSN 1983-7801 | Qualis B3