O “ROUBO DAS URNAS”: A RELAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO SALVAGUARDADO E OS COLETIVOS HUMANOS

Daiane Pereira

Resumo


A relação entre os coletivos humanos não arqueólogos e a materialidade das pesquisas arqueológicas tem sido historicamente ditada pelos arqueólogos e arqueólogas, fundamentada no discurso da cientificidade e autoridade da expertise. Esta construção vertical da gestão das coleções arqueológicas salvaguardadas no Brasil resultou na consolidação de procedimentos irrefletidos sobre os acervos arqueológicos, percebidos através do falso antagonismo entre conservar e extroverter. Tal perspectiva, que desconecta a conservação física da materialidade com sua apropriação pelas comunidades, destoa dos avanços teóricos que tivemos nas últimas décadas, com a ampliação do conceito de patrimônio arqueológico e do papel social da arqueologia. Através da reflexão sobre o “roubo das urnas”, busco problematizar a relação do patrimônio arqueológico salvaguardado e os coletivos humanos por uma perspectiva que não veja a aproximação das pessoas com os acervos como problema, mas sim como um objetivo a ser alcançado.

Palavras-chave


Arqueologia; Coletivos Humanos; Patrimônio Arqueológico Salvaguardado.

Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA, Marcia. Teto e Afeto: sobre as pessoas, as coisas e a arqueologia na Amazônia. 1. ed. Belém -PA: GKNoronha, 2017.

BEZERRA, Marcia. O machado que vaza ou algumas notas sobre as pessoas e as superfícies do passado presente na Amazônia. Vestígios: Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, v. 12, n. 2, p. 49-58, 2018.

BEZERRA DE ALMEIDA, Marcia. O Público e o Patrimônio Arqueológico: Reflexões Para a Arqueologia Pública no Brasil. Habitus, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 275-295, 2003.

BRADLEY, Susan M. Os Objetos Têm Vida Finita? In: Conservação: conceitos e práticas. Mendes, M. (org.). Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2001.

BREFE, Ana Claudia Fonseca. Os primórdios do museu: da elaboração conceitual à instituição pública. Proj. História, São Paulo, v. 17, p. 281- 315, 1998.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Arqueologia e antropofagia: a musealização de sítio arqueológicos. Revista do Patrimônio. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v. 31, p. 234-243, 2005.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Museus, identidades e patrimônio cultural. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. Suplemento 7, p.145-151, 2008.

CABRAL, Mariana Petry. No tempo das pedras moles: arqueologia e simetria na floresta. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Belém, 262p. 2014.

CABRAL, Mariana Petry. Entre passado e presente: coletivos humanos na Amazônia. Revista Teoria e Sociedade, Belo Horizonte, n, 24, v. 2, p. 76-91, 2016.

CABRAL, Mariana Petry. El ronquido del hacha e otras cosas extrañas. In: Sensos Indisciplinados: Arqueología, Sensoralidad y Narrativas Alternativas. Jas Arqueología, 2017.

CABRAL, Mariana Petry; PEREIRA, Daiane; SALDANHA, João Darcy de Moura. Dossiê Arqueologia e Socialização na implantação de um centro de pesquisa no Amapá. Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade. Categoria de Proteção do Patrimônio Natural e Arqueológico. Macapá. 31p. 2012.

CABRAL, Mariana Petry; PEREIRA, Daiane; Bezerra, Marcia. Patrimônio arqueológico da Amazônia: a pesquisa, a gestão e as pessoas. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v. 38, p. 247-270, 2018.

CARLAN, Claudio Umpierre. Arqueologia e Patrimônio: os acervos dos museus e sua importância. Arqueologia Pública, Campinas, n. 5, p. 56-63, 2012.

CURY, Marilia Xaxier. Marcos teóricos e metodológicos para recepção de museus e exposições. UNIrevista, v. 1, n. 3, 2006.

DELAVENAY, Alicia Herrero. De almacén acentro de conservación de colecciones. Revista del Comité Español del ICOM. ALMACENES DE MUSEOS: Espacios Internos Propuestas para su organización, ICOM España, v. 3, p. 8-15, 2012.

DICIO. Dicionário online de língua portuguesa. 2018.

FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

GNECCO, Cristobál. Caminos de la Arqueología: de la violencia epistémica a la relacionalidad. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 4, n. 1, p. 15-26, 2009.

HABER, Alejandro. Arquitetura doméstica, paisaje campesino y teoria local. Catamarca: Encuentro, 2012.

HARRISON, Rodney. Scratching the surface: reassembling an archaeology in and of present. In: GONZÁLEZ-RUIBAL, A. Reclaiming archaeology: beyond the topes of modernity. Routledge: New York, p. 44-55, 2013.

HAMILAKIS, Yannis; ANAGNOSTOPOULOS, Aris. What is Archaeological Ethography? Public Archaeology Archaeological Ethnograhies, v. 8, p. 2-3, p. 65-87, 2009.

HILBERT, Klaus. Só achei algumas pedrinhas!: uma sátira sobre o valor de um sítio arqueológico. Arqueologia Sul- Americana 4, 2008.

HODDER, Ian. Entangled. An Archaeology of the Relationships between Humans and Things. Oxford : Wiley-Blackwell, 2012.

INSTITUT National du Patrimoine. Les reserves dês musées: mode d’emploi. France: Service Régional de l’Archéologie, 2010.

KEENE, Suzanne. Collections for People: museums stored collections as a public resource. London: UCL Institute of Archaeology, 2008. 84p.

LAGROU, Els. A fluidez da Forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

LATOUR, Bruno. Terceira fonte de incerteza: os objetos também agem. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Cardoso de Sousa. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc. 2012. p. 97-128

MACHADO, Juliana Salles. Arqueologias Indígenas, os Laklãnõ Xokleng e os objetos do pensar. Revista de Arqueologia SAB, v. 30, n. 1, p. 89-119, 2017.

MERRIMAN, Nick. Making early histories in museums. Leicester: Leicester University Press, 1999.

MUSEÁLIA. Reserva Técnica Viva: Como alguns museus estão mudando a relação entre suas reservas técnicas e o público. Museália, revista de cultura e museus. Instituto Brasileiro de Museus, n. 1, ano 1, 2010.

OOSTERBEEK, Luiz. Arqueologia, patrimônio e gestão do território: polémicas. Erechim, RS: Habilis, 2007. 200p.

PEARCE, Susan. On Collecting: An investigation into collecting in the European tradition. London: Routledge,1995.

PEARCE, Susan. M. Pensando sobre objetos. In: Museus Instituição de Pesquisa – Organização de Marcus Granado e Claudia Penha dos Santos. Rio de Janeiro: MAST, 2005.

PELLINI, José Roberto. Redomas de vidro: relações entre tato, cultura material e práticas de institucionalização. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, n. 9, p. 63-78, 2014.

PEREIRA, Daiane. Reserva Técnica Viva: Extroversão do Patrimônio Arqueológico no Laboratório de Arqueologia Peter Hilbert. 160p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, Brasil, 2015.

RALLO, Carmen. Claves para un buen almacén. Revista del Comité Español del ICOM. ALMACENES DE MUSEOS: Espacios Internos Propuestas para su organización, ICOM España, v. 3, p. 16-23, 2012.

REIS, José Alberione. Lidando com as coisas quebradas da história. Revista Arqueologia Pública, n. 2, p. 33-44, 2007.

RÉMY, Luc. Les reserves: stockage passif ou pôle de valorisation du patrimoine? La Lettre de l’OCIM, n. 65, p. 27-35, 1999.

SALERNO, Virginia. Pensar la arqueologia desde el sur. Complutum, v. 23, n. 2, p. 191-203, 2012.

SILVA, Fabíola Andréa. El pasado en el presente de los Asurini do Xingu: Narrativas arqueológicas y narrativas indígenas. In: RIVOLTA, M. C.; MONTENEGRO, M.; FERREIRA, L. M. (org.). Multivocalidad y Activaciones Patrimoniales en Arqueología: Perspectivas desde Sudamérica. Buenos Aires: Editora de la UBA, 2014. p. 35-59.

SILVA, Maurício André da. Memórias e histórias no sudoeste amazônico: o Museu Regional de Arqueologia de Rondônia. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SWAIN, Hedley. An Introduction to Museum Archaeology. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

VAN VELTHEM, Lúcia Hussak. O belo é a fera: a estética da produção e da predação entre os Wayana. Lisboa: Assírio & Alvim. 2003. 446p.

VIGLANI, Silvina. La noción de persona y la agencia de las cosas. Una mirada desde el arte rupestre. Anales de Antropología 50. 2016. p. 24-48.

WICHERS, Camila Azevedo Moraes. Dois enquadramentos, um mesmo problema: os desafios da relação entre museus, sociedade e patrimônio arqueológico. Revista de Arqueologia (Sociedade de Arqueologia Brasileira. Impresso), v. 26-27, p. 16-39, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i1.7112

Direitos autorais 2019 Daiane Pereira

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.