A ALTERIDADE COMO MODO DE SER DA ESPIRITUALIDADE, NOVA COMUNICABILIDADE RELIGIOSA

Deusilene Silva Leão

Resumo


Alteridade significa ser capaz de enxergar o outro na plenitude da sua dignidade, dos seus direitos e, sobretudo, da sua diferença. Quanto menos alteridade existe nas relações pessoais e sociais, mais conflitos ocorrem. A noção de outro ressalta que a diferença constitui a vida social, à medida que esta se efetiva através das dinâmicas das relações sociais. Assim sendo, a diferença é, simultaneamente, a base da vida social e fonte permanente de tensão e conflito. A experiência da alteridade e a elaboração dessa experiência levam-nos a ver aquilo que nem teríamos conseguido imaginar, dada a nossa dificuldade em fixar nossa atenção no que nos é habitual, familiar, cotidiano, e que consideramos evidente. Entendemos a partir dessas diferenças que a espiritualidade tem como um de seus pilares a alteridade, e que a religião lança mão de uma comunicabilidade de forma diferenciada tendo como parte principal dessa comunicação o sagrado que se traduz em seus símbolos, mitos, ritos, textos sagrados e doutrinas. Este artigo tem como objetivo principal trabalhar a alteridade como modo de ser da espiritualidade e tendo na alteridade e espiritualidade, nestes tempos de tantas diferenças e conflitos, uma nova forma de comunicabilidade religiosa.

Palavras-chave


Alteridade; Espiritualidade; Comunicabilidade; Religião;

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, Ângela (org.). Representando a alteridade. Petrópolis: Vozes, 1998.

BOFF, Leonardo. Ecologia, mundialização, espiritualidade. Rio de Janeiro: Record, 2008.

BOFF, Leonardo. Ética e eco-espiritualidade. Campinas: Verus, 2003.

BOFF Leonardo; FREI BETTO. Mística e espiritualidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

BOFF, Leonardo. Espiritualidade, um caminho de transformação. Rio de Janeiro: Sextante, 1997.

BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

BOFF, Leonardo. Tempo de transcendência: o ser humano como um projeto infinito. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2003.

CROATTO, Severino. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. São Paulo: Paulinas, 1994.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares de vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Paulinas, 1979.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

LELOUP, Jean-Yves. Uma arte de amar para os nossos tempos: o Cântico dos Cânticos. Petrópolis: Vozes, 2002.

LÉVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Lisboa: Edições 70. 1988.

OLIVEIRA, Irene Dias. O Sagrado e as construções de mundo. Artigo, religião e alteridade: diferença, preconceito e discriminação. Brasília: Universa, 2004.

SIGNATES, Luiz. Comunicação e disputa simbólica na perspectiva dos cismas religiosos. Trabalho apresentado no I Colóquio de Estudos Sociais sobre o Espiritismo, realizado em 12 de junho de 2013, Goiânia, PPG em Ciências da Religião da PUC Goiás.

ZOHAR, Danah; MARSHALL, Ian. QS inteligência espiritual – o Q que faz a diferença. Tradução de Ruy Jugmann. Rio de Janeiro: Record, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i1.6969

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis B3

Visitantes - (04/09/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 40.152
Estados Unidos 1.530
Portugal 886
Moçambique 331
França 297
Angola 255
Espanha/td> 105
Chile 96
Colombia 85

Fonte: Google Analytics.