Rádio Comunitária, Identidade e Cidadania de Jovens

Cláudia Regina Lahni, Fernanda Coelho, Maria Fernanda Pereira França, Mariana Zibordi Pelegrini

Resumo


Resumo: o direito à comunicação é assegurado por acordos internacionais
mas, muitas vezes os cidadãos não têm oportunidade de
exercê-lo. Nesse contexto as rádios comunitárias aparecem como uma
forma de resistência e de exercício do direito a emitir e produzir informações.
Porém, é preciso estabelecer os critérios que diferenciam uma rádio
supostamente comunitária de outra, comunitária autêntica. A partir
dos critérios de Cicilia Peruzzo, fez-se uma análise da autenticidade
e da participação juvenil nas três rádios autorizadas como comunitárias
em Juiz de Fora (Trans, Life e Objetiva FM) e um estudo comparativo
dessas emissoras com a Mega FM, uma comunitária autêntica.

Palavras-chave: Rádio Comunitária. Participação juvenil. Comunicação
comunitária. Identidade e cidadania.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v20i4.1474

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.