Las Religiones Periféricas y la Etnografía de la Modernidad Latinoamericana como un Desafío a Las Ciencias de la Religión

Pablo Wright

Resumo


Este texto faz parte de um projeto maior que tem por objetivo compreender a dinâmica sócio-religiosa na América Latina. A questão central do projeto gira em torno das características que assume no campo religioso a modernidade periférica latino-americana. Dentro deste campo religioso há grupos e instituições que ocupam eles mesmos espaços periféricos e heterodoxos em relação aos grupos dominantes. Esses espaços periféricos são lugares liminares, de entrada e saída da modernidade, nos quais acontece uma forte criatividade cultural e uma reinvenção das tradições. O texto examina quatro exemplos; a Ordem Rosa Cruz AMORC de Buenos Aires, os grupos espiritistas da Escola Científica Basilio da Argentina, o culto venezuelano de María Lionza e o culto do Santo Daime no Brasil. Todos esses grupos se definem como uma ciência espiritual, esquecida e ignorada pela ciência moderna. Eles remetem a uma tradição longínqua e propõem tecnologias do ser, ou seja, tem práticas e crenças para um caminho próprio de perfeição.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v6i1.928

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.