GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS! A APROPRIAÇÃO SIMBÓLICA DO PICO DOS PIRENEUS PELO CATOLICISMO A PARTIR DA ROMARIA DA SANTÍSSIMA TRINDADE EM PIRENÓPOLIS (GO)

Eliézer Cardoso de Oliveira, Sirlene Alves da Silva, Maria de Fátima Oliveira

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar a apropriação religiosa dos lugares altos em disputa com outros tipos de apropriações vigentes atualmente, tais como a estética, a esportiva, a econômica e a ecológica, tendo como estudo de caso a Romaria da Santíssima Trindade, conhecida popularmente como Festa do Morro, que acontece, todos os anos, desde 1927, no mês de julho, no município de Pirenópolis (GO), no pico mais alto da Serra dos Pireneus. A hipótese que guia o artigo é que o Pico dos Pireneus foi estratégico para a reafirmação da hegemonia da Igreja católica em Goiás, na década de 1930, que, na pessoa do bispo do Emanuel Gomes de Oliveira, apoiou a romaria e elaborou um projeto de construção de um monumento católico no pico da serra

Palavras-chave


Romaria da Santíssima Trindade; Pico dos Pireneus; O sagrado e o mundo natural; Monumento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Rafael de. Alpinismo de alta montanha: um estudo de revisão de literatura. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegra, Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/87642/000911792.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 11 out. 2019.

ANÔNIMO, Relato. Descrição da capitania de Goiás e tudo que ela é notável até o ano de 1783. In: BERTRAN, Paulo (org.). Notícia Geral da Capitania de Goiás. Goiânia: Ed. da UCG; Ed. da UFG, 1996. p. 73-86.

BARRIOS, Marciano. Fruto de la Paz: breve historia del Cristo Redentor de Los Andes. Revista de História y Geografía, Santiago/Chile, v. 18, p. 347-350, 2004. Disponível em: http://www.bibliotecanacionaldigital.gob.cl/visor/BND:341900. Acesso em: 11 out. 2019.

BODEI, Remo. As formas da beleza. Tradução: Antônio Angonese. Bauru: Edusc, 2005.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosofia sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo. Tradução: Enid Abreu Dobránszky. Campinas: Papirus; Ed. da UNICAMP, 1993.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. Tradução: Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FLEURY, Mons. Nelson Rafael. Notas Históricas. Goiânia: Ed. da UCG, 2007.

GAUDIUM PRESS. O Monumento a Cristo Rei no México: testemunha e protagonista do heroísmo da Fé. 15 jul. 2014. Disponível em: https://www.gaudiumpress.org/content/60818-O-Monumento-a-Cristo-Rei-no-Mexico--testemunha-e-protagonista-do-heroismo-da-Fe. Acesso em: 11 out. 2019.

GIDDENS, Anthony. Para Além da esquerda e da direita. São Paulo: Ed. da UNESP, 1996.

GIUMBELLI, Emerson. A Modernidade do Cristo Redentor. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 51, n. 1, p. 75-105, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v51n1/a03v51n1.pdf. Acesso em: 11 out. 2019.

GODOY, Patrícia Bueno. A Cruz de Anhanguera: um projeto de Mário Penteado para a Serra dos Pireneus. In: IX EHA – Encontro de História da Arte, 2013, Campinas-SP. Anais [...]. Campinas: Unicamp, 2013. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/eha/atas/2013/Patricia%20Bueno%20Godoy.pdf. Acesso em: 18 out. 2019.

GOMBRICH, Ernest H. A história da arte. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

HARPA CRISTÃ. As firmes promessas. s/d. Disponível em: http://www.igrejadecristofranca.org.br/harpacrista.pdf. Acesso: 12 out. 2019.

ILUSTRAÇÃO BRASILEIRA, Revista. A Cruz de Anhanguera: um grande monumento nacional. Rio de Janeiro, Ano IX, n.7, nov. 1935. p. 41.

INFORMAÇÃO GOYANA, Revista Pireneus. Rio de Janeiro, Vol. XVIII, n. 11, p. 87, jun. 1934. Disponível em: hemeroteca digital brasileira.

JAYME, Jarbas. Esboço histórico de Pirenópolis. Pirenópolis: Edição do autor, 1971.

JOSEFO, Flávio. Guerra dos Judeus contra os romanos. In: História dos Hebreus. Tradução: Vicente Pedroso. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2004. p. 933 – 1424.

KANT, Immanuel. Observações sobre o sentimento do belo e do sublime: ensaio sobre as doenças mentais. Tradução: Vinicius de Figueiredo. Campinas: Papirus, 1993.

KOSLOSKI, Philip. Por que tantas igrejas são construídas em lugares altos? Aleteia, Ago 08, 2017. Disponível em: https://pt.aleteia.org/2017/08/08/por-que-tantas-igrejas-sao-construidas-em-lugares-altos/. Acesso em: 11 out. 2019.

LEAL, Oscar. Viagens às terras goianas. Lisboa: Tipografia Minerva Central, 1892.

LEITE, Nelson Luiz Campos. Adoração no monte. Portal Metodista. 04 maio 2012. Disponível em: http://portal.metodista.br/fateo/noticias/adoracao-no-monte-artigo-do-bispo-nelson-luiz-campos-leite. Acesso em: 12 out. 2019.

MATTOS, José da Cunha. Chorographia histórica da Província de Goiás. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, Tomo 37, 1º trimestre de 1874. p. 213-398. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B_G9pg7CxKSsSVNsSzY3NGtfQVk/view. Acesso em: 18 out. 2019.

MENDES, Jaqueline. Católicos sobem 5,5 quilômetros na Serra da Piedade, em Caeté. O Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 19 maio de 2014. s/p. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/04/19/interna_gerais,520593/catolicos-sobem-5-5-quilometros-na-serra-da-piedade-em-caete.shtml. Acesso em: 11 out. 2019.

MENDONÇA, Jales Guedes Coelho. A invenção de Goiânia: o outro lado da mudança. Goiânia: Vieira, 2013.

MONT´ALEGRE, Omer. A casa das sete palmeiras. Revista O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 7 de maio de 1949, p. 46. Disponível em: Hemeroteca Digital Brasileira.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. Um dia a Igreja cai: a importância cultural dos templos religiosos na cidade de Goiás. Patrimônio e Memória, São Paulo, v. 10, n.1, p. 28-47, janeiro-junho, 2014. Disponível em: http://pem.assis.unesp.br/index.php/pem/article/view/344/722. Acesso em: 18 out. 2019.

POHL, J. Emanuel. Viagem ao interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Ed. da EDUSP, 1976.

RELATÓRIOS CRULS, Relatório da Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil. Planalto Central, novembro de 1892. Disponível em: http://biblioteca.cl.df.gov.br/dspace/handle/123456789/1668. Acesso em: 18 out. 2019.

RIBEIRO, Milton; RIBEIRO Bernardo. Em Potosí, Bolívia, a ascensão e a agonia da mina que enriqueceu a Espanha. Sul 21. 24 fev. 2013. s/p. Disponível em: https://www.sul21.com.br/noticias/2013/02/em-potosi-bolivia-a-ascensao-e-a-agonia-da-mina-que-enriqueceu-a-espanha/. Acesso em: 11 out. 2019.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Júlia ou A Nova Heloísa. São Paulo, Campinas: HUCITEC; Ed. da UNICAMP, 1994.

SAINT-HILAIRE, August de. Viagem à Província de Goiás. Tradução: Regina Regis Junqueira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975.

SANTOS, Cristiane Candido; MATIOLLI, Thiago. Os Montes de Oração: etnografia de uma experiência religiosa. Mneme – Revista de Humanidades, v. 12, n. 29, p. 522-536, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/1025. Acesso em: 14 out. 2019.

SCHILLER, Friedrich. Do sublime ao trágico. Tradução: Pedro Süssekind e Vladimir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SEVILLANO, Elena. Madri. Os cientistas alertam para o perigo do aplainamento de montanhas na China. El País Brasil. 05 jun. 2014. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2014/06/05/sociedad/1401970336_143224.html. Acesso em: 11 out. 2019.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

WEBER, Max. A ciência como vocação. In: GEERTH, H. H.; MILLS, W. (orgs.). Max Weber: ensaios de sociologia. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Ghanabara Koogan, 1982. p. 154-183.

WOORTMANN, Klass. Religião e ciência no renascimento. Brasília: Ed da UnB, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v18i1.7789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Eliézer Cardoso de Oliveira, Sirlene Alves da Silva, Maria de Fátima Oliveira

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 10/03/2020)

Fonte: Google Analytics.