O USO DA NOÇÃO DE MAGIA PARA A CONSTRUÇÃO DO OUTRO NAS RELIGIÕES AYAHUASQUEIRAS BRASILEIRAS

Emmanuel Ramalho

Resumo


O termo magia tem sido usado no ocidente como uma categoria de exclusão para estigmatizar ideias e comportamentos considerados inaceitáveis ou pertencentes ao Outro – identidades consideradas desviantes. A construção de uma identidade Outra também tem servido para definir, por contraste, a própria identidade religiosa, étnica etc. Esta pesquisa argumenta que tal dinâmica está presente nas religiões ayahuasqueiras brasileiras – Santo Daime, Barquinha e União do Vegetal – e busca identificar elementos de construção de identidades Outras por meio da noção de magia e que agem como ferramenta de marcação de fronteiras entre o Eu e o Outro – outras tradições ayahuasqueiras, ameríndias, afro-brasileiras ou outros centros da mesma tradição.

Palavras-chave


Ayahuasca; Magia; Identidade; Estigma.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Glauber Loures de. Encanto e desencanto: Um estudo sociológico sobre a inserção do Santo Daime no cenário religioso contemporâneo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

ELIADE, Mircea. O xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FANGER, Claire; KLAASSEN, Frank. Magic III: Middle Ages. In: HANEGRAAFF, Wouter (org.). Dictionary of Gnosis and Western Esotericism. Leiden: Brill, 2005.

GOULART, Sandra Lucia. Contrastes e continuidades em uma tradição amazônica: As religiões da ayahuasca. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

HANEGRAAFF, Wouter J. How magic survived the disenchantment of the world. Religion, v. 33, p. 357-380, 2003.

HANEGRAAFF, Wouter J. Magic V: 18th-20th Century. In: HANEGRAAFF, Wouter (org.). Dictionary of Gnosis and Western Esotericism. Leiden: Brill, 2005.

HANEGRAAFF, Wouter J. Defining religion in spite of history. In: PLATVOET, J. G.; MOLENDIJK, A. (orgs.). The pragmatics of defining religion. Boston: Brill, 1999.

HANEGRAAFF, Wouter J. Ayahuasca groups and networks in the Netherlands: A challenge to the study of contemporary religion. In: LABATE, Beatriz Caiuby; JUNGABERLE, Henrik (org.). The Internationalization of Ayahuasca. Berlim: Lit Verlag, 2011.

HANEGRAAFF, Wouter J. Entheogenic Esotericism. In: ASPREM, Egil; GRANHOLM, Kennet (org.). Contemporaty Esotericism. Nova Iorque: Routledge, 2014. p. 392-409.

HANEGRAAFF, Wouter J. Magic. In: MAGEE, Glenn Alexander (org.). The Cambridge Handbook of Western Mysticism and Esotericism. Cambridge: Cambridge University Press, 2016. p. 393-404.

LABATE, Beatriz Caiuby. A reinvenção do uso da ayahuasca nos centros urbanos. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

LABATE, Beatriz Caiuby; ROSE, Isabel Santana; SANTOS, Rafael Guimarães. Religiões Ayahuasqueiras: um balanço bibliográfico. Campinas: Mercado das Letras/Fapesp, 2008.

LABATE, Beatriz; PACHECO, Gustavo. The Historical Origins of Santo Daime: Academics, Adepts, and Ideology. In: LABATE, Beatriz; JUNGABERLE, Henrik (org.). The internationalization of Ayahuasca. Berlim: Lit Verlag, 2011.

LOSONCZY, Anne-Marie; MESTURINI, Silvia. Por que a ayahuasca? Da internacionalização de uma prática ritual ameríndia. Anuário Antropológico, p. 9-30, 2010.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Xamãs na cidade. Revista USP, n.67, 218-227, 2005.

MELO, Rosa Virgínia A. A.. Beber na fonte: adesão e transformação na União do Vegetal. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

ORO, Ari Pedro. O neopentecostalismo macumbeiro. Revista USP, n. 68, p. 319-332, 2006.

OTTO, Bernd-Christian; STAUSBERG, Michael (org.). Defining Magic: A Reader. Sheffield: Equinox, 2014.

PASI, Marco. Magic. In: VON STUCKRAD, Kocku (org.). The Brill Dictionary of Religion. Volume III. Leiden: Brill, 2006.

PASI, Marco. Teses de magia. Tradução: Emmanuel Ramalho. Religare, v. 13, n. 1, p.266-276, 2016.

SILVA, Francisco Santos. Magia: a religião do “outro”. Veredas da História, v. 3. n. 2, p. 7-19, 2010.

STRATTON, Kimberly. Naming the Witch: magic, ideology and stereotype in the Ancient World. Nova Iorque: Columbia University Press, 2007.

STYERS, Randall. Making magic: Religion, magic and science in the Modern World. Nova Iorque: Oxford Press, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v17i3.7291

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Emmanuel Ramalho

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.