Religião Implícita: culto ao bronzeado

Pino Lucà Trombetta

Resumo


Partindo do conceito de “religião implícita” tratado por A. Nesti, o artigo aborda um dos principais costumes da sociedade italiana: o culto ao bronzeado. Disseminado pelos meios de comunicação, é oferecido um caminho para se sair da insegurança, tanto por considerar que o bronzeado possua um sentido de salvação quanto por indicar práticas para se obter algum resultado. Argumenta-se que, se esses discursos, oscilando entre o sério e o fútil, obtêm grande audiência, é porque reproduzem, em formas mistificadas, argumentos de natureza religiosa. À medida que o corpo se torna o lugar privilegiado para investimento e sua salvação acaba substituindo a antiga preocupação com a salvação da alma, tudo o que se necessita para melhorá-lo assume o caráter de uma meta final para a qual vale a pena se dedicar a si mesmo e correr o risco.

Palavras-chave


Religião implícita; Bronzeamento; Corpo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v12i1.3035

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.