MUNICÍPIOS PARANAENSES SOB A ÓTICA DOS INDICADORES DE CIDADES INTELIGENTES E SUSTENTÁVEIS: UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA

Cassiana Ferreira Bachendorf, Gilson Ditzel Santos, Giovanna Pezarico, Marcos Paulo Silva

Resumo


Este artigo tem como objetivo avaliar os municípios do Estado do Paraná sob a ótica das cidades inteligentes e sustentáveis, por meio de indicadores disponíveis em bases secundárias. Foram extraídos indicadores de artigos científicos sobre cidades inteligentes e sustentáveis que estão disponíveis em bases de dados brasileiras. Assim, foram obtidos dados das 399 cidades do Paraná, referentes aos indicadores identificados, através da base de dados da Casa Civil do Estado do Paraná, IPARDES e IBGE. Com isso, foi possível identificar 9 indicadores que podem ser utilizados para a avaliação de cidades inteligentes e sustentáveis, assim como, foi possível ranquear os municípios paranaenses de acordo com os indicadores através de análise fatorial.

Palavras-chave


Cidades inteligentes e sustentáveis; Indicadores de avaliação; Análise estatística; Análise fatorial. Ranking de cidades.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Discursos da sustentabilidade urbana. Revista brasileira de estudos urbanos e regionais, v. 1, n. 1, p. 79-90, 1999.

AHVENNIEMI, Hannele et al. What are the differences between sustainable and smart cities? Cities, v. 60, p. 234-245, 2017.

BATTY, Michael, et al. Smart cities of the future. The European Physical Journal Special Topics, n. 214, p. 481-518, 2012.

CARAGLIU, Andrea; DEL BO, Chiara; NIJKAMP, Peter. Smart cities in Europe. Journal of urban technology, v. 18, n. 2, p. 65-82, 2011.

CARLI, Raffaele et al. Measuring and managing the smartness of cities: A framework for classifying performance indicators. In: Systems, Man, and Cybernetics (SMC), 2013 IEEE International Conference on. IEEE, p. 1288-1293, 2013.

CASA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ. Disponível em: < http://www.casacivil.pr.gov.br/> Acesso em 18 de dez. 2016.

CHOURABI, Hafedh et al. Understanding smart cities: An integrative framework. In: System Science (HICSS), 2012 45th Hawaii International Conference on. IEEE, p. 2289-2297, 2012.

CONNECTED SMART CITIES. Cidades do futuro do Brasil. 2015. Disponível em: < http://www.connectedsmartcities.com.br/index.php/connected-smart-cities-contribui-para-o-desenvolvimento-de-cidades-brasileiras >. Acesso em: 07 jul. 2016.

DIRKS, Susan; KEELING, Mary. A vision of smarter cities. IBM Institute for Business Value, 2009.

GIFFINGER, Rudolf, et al. Smart Cities Ranking of European Medium-sized Cities. Centre of Regional Science, Vienna UT, p. 10, out. 2007.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 6.ed. Porto Alegre: Bookman Editora, 2009.

HARA, Minako et al. New key performance indicators for a smart sustainable city. Sustainability, v. 8, n. 3, p. 206, 2016.

HOLLANDS, Robert G. Critical interventions into the corporate smart city. Cambridge Journal of Regions, Economy and Society, v. 8, p. 61-77, 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de geografia e estatística. Censo Demográfico 2015. 2016.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Base de Dados do Estado. Disponível em: < http://www.ipardes.pr.gov.br/imp/index.php >. Acesso em: 18 dez. 2016.

LAZAROIU, George Cristian; ROSCIA, Mariacristina. Definition methodology for the smart cities model. Energy, v. 47, n. 1, p. 326-332, 2012.

LEITE, Carlos. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Bookman, 2012.

LOMBARDI, Patrizia. New Challenges in the Evaluation of Smart Cities. Network Industries Quarterly, v. 13, n. 3, p. 8-10, 2011.

MATTONI, B.; GUGLIERMETTI, F.; BISEGNA, F. A multilevel method to assess and design the renovation and integration of Smart Cities. Sustainable Cities and Society, v. 15, p. 105-119, 2015.

PRIANO, Félix Herrera; GUERRA, Cristina Fajardo. A framework for measuring smart cities. In: PROCEEDINGS OF THE 15TH ANNUAL INTERNATIONAL CONFERENCE ON DIGITAL GOVERNMENT RESEARCH. ACM, p. 44-54, 2014.

REYMÃO, A. E.; SABER, B. A. Acesso à água tratada e insuficiência de renda duas dimensões do problema da pobreza no Nordeste Brasileiro sob a óptica dos objetivos de desenvolvimento do milênio. Revibec: Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, Barcelona, v. 12, p. 1-15, out. 2009.

SMART CITIES AND COMMUNITIES. Strategic Implementation Plan. 2013. Disponível em: < http://ec.europa.eu/eip/smartcities/files/sip_final_en.pdf >. Acesso em: 20 jun. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v4i2.6880

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rodapé - Baru
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis B4

Visitantes - (24/08/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 6.689
Estados Unidos 261
França 234
Portugal 83
Colombia 55
México 37
Iraque 35
Reino Unido 34
Argentina 29

Fonte: Google Analytics.