Impacto Socioeconômico e Ambiental da Cultivar de Feijão-Comum BRS Esteio, no Estado do Paraná, 2014/2015

Osmira Fátima da Silva, Alcido Eleonor Wander, Augusto Cesar de Oliveira Gonzaga, Helio Augusto Magalhães

Resumo


Resumo: o objetivo deste artigo foi avaliar os impactos econômicos, sociais e ambientais da nova cultivar de feijão-comum BRS Esteio, na região dos Campos Gerais, do estado do Paraná, na 1ª e 2ª safras de 2014/15, comparando-a com a cultivar antecessora BRS Esplendor. Para a avaliação de impactos econômicos (excedente econômico), sociais e ambientais foram adotados os procedimentos descritos em Ávila et al. (2008). A cultivar BRS Esteio é superior à cultivar antecessora em produtividade (+ 600kg/ha), com um custo adicional de R$469,61/ha. A cultivar BRS Esteio foi economicamente viável (97% de lucratividade sobre o investimento, 63% de ganho financeiro). Neste primeiro ano no mercado, a área de adoção da BRS Esteio foi estimada em 1.000ha. O benefício econômico para o agronegócio regional foi de R$616.273,00. Também houve geração de mais empregos e aumento da oferta do produto com maior qualidade no mercado. A cultivar BRS Esteio não provoca efeitos adversos adicionais ao ambiente.
Palavras-chave: Feijão preto. Sistema de produção. Agronegócio.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v2i2.5277

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | ISSN 2448-0460 |  Qualis B5