Espacialização da "Logística! como Fato de Organização Produtiva do Território Mato-grossense

Zuleika Alves de Arruda

Resumo


Resumo: este artigo apresenta análises a respeito do processo de espacialização da logística do agronegócio no território mato-grossense. Esclarece que o Estado de Mato Grosso indica um elevado crescimento econômico decorrente do agronegócio, porém com problemas logísticos (transporte e armazenagem) que, associados à localização geográfica, impedem a competitividade das commodities agrícolas no mercado globalizado. Esta discussão contempla o papel do Estado neoliberal na (re)estruturação do território, assim como as estratégias usadas pelas corporações do agronegócio na apropriação do território. Mostra ainda que a inexistência/precariedade dos circuitos de escoamento possibilitou que o território fosse corporalizado pelas corporações do agronegócio, e contribuiu para a reprodução ampliada do capital
por meio da expansão de serviços de apoio à logística. Conclui que o agronegócio é a versão contemporânea do capitalismo, que visa abarcar o espaço geográfico em sua totalidade, sendo necessário adequar o território, suprimir as distâncias e barreiras que impeçam o capital de (se) (re)produzir.
Palavras-chave: Agronegócio. Logística. Território corporativizado.
(Re)estruturação.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v2i2.5275

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | ISSN 2448-0460 |  Qualis B5